domingo, 11 de outubro de 2020

Boa tarde,

já não vinha até aqui deixar algumas sugestões de leitura por um bom tempo mas, os livros abaixo foram e, é, o de autoria de Diogo Freitas do Amaral, o que me encontro a ler.

Quanto ao primeiro de autoria de um escritor francês devo admitir que não apreciei muito; esta obra que foi considerada na época, na linha da obra maior de Cervantes - D.Quixote de La Mancha - pareceu-me pobre (comparativamente) e, a veia satírica que lhe atribuem, para mim, não espantou. Claro está que não temos todos o mesmo gosto (que seria do amarelo!) mas, para o prefácio que muito elogia o autor, devo confessar que fiquei um pouco desiludida.



Debruçando-me, agora, sobre o livro que tenho entre mãos confesso estar bastante agradada; o autor pega nas personalidades mais relevantes, que pensaram a política desde a Antiguidade clássica até à segunda metade do Séc. XX, começando em Péricles e terminando com Hans Jonas.
Cada capítulo trata de um período histórico com os sub-capítulos dedicados a cada um dos autores/filósofos dessa época com um pequeno resumo da sua vida e obra, depois as ideias gerais que tiveram e defenderam à época, terminando com o seu comentário (do autor ) sobre esse indivíduo.
Aprecio a imparcialidade (todos sabemos qual a facção política do autor) e rigor nos factos; aproveito, também, para deixar aqui a nota que recentemente foi publicado um livro sobre a História da Filosofia Política, que estive a folhear mas, parece-me bem mais pobre, no que respeita ao número de individualidades dadas a conhecer sobre a matéria em questão. 


Boas Leituras!



 

terça-feira, 15 de setembro de 2020

 "Um livro é um brinquedo feito com letras. Ler é brincar." - Rubem Alves

15 de Setembro de 1933, dia do seu nascimento; Poeta, cronista, ensaísta, teólogo, professor universitário e psicanalista, foi também membro da Academia Brasileira de Letras e deixou uma vasta obra literária e ensaística.




Agatha Christie, 15 de Setembro de 1890

escritora britânica que actuou como romancista, contista, dramaturga e poetisa. Destacou-se no  romance policial, a sua alcunha era a Rainha/Dama do crime mas, soava-lhe melhor quando a apelidavam de Duquesa da Morte. Populares ficaram personagens como Hercule Poirot.


Como dizem os britânicos, "the last but not the least", Guerra Junqueiro; este autor nasceu a 15 de Setembro de 1850, foi funcionário administrativo, político, chegando a  deputado, jornalista, escritor e poeta.




 Hoje venho lembrar alguns autores, nacionais e estrangeiros, que se estivessem , ainda, entre nós comemoravam, neste dia, o seu nascimento.


Começo por recordar Manuel Maria Barbosa du Bocage (15 de Setembro de 1765)

Muitos autores consideram-no o poeta mais completo do Séc. XVIII, a sua fama deveu-se á poesia satírica contudo, a sua obra poética é muito mais vasta.

A sua primeira obra publicada denominava-se - Rimas (1791) 1º Vol. -; como simpatizava com a Revolução Francesa foi acusado de "herético perigoso e dissoluto de costumes", sendo preso e condenado pela Inquisição. Acabou por ser libertado e, sobreviveu da sua escrita até ao fim da vida.



 

Magro, de Olhos azuis, Carão Moreno

Magro, de olhos azuis, carão moreno,
Bem servido de pés, meão na altura,
Triste de facha, o mesmo de figura,
Nariz alto no meio, e não pequeno;

Incapaz de assistir num só terreno,
Mais propenso ao furor do que à ternura,
Bebendo em níveas mãos por taça escura
De zelos infernais letal veneno;

Devoto incensador de mil deidades
(Digo, de moças mil) num só momento,
E somente no altar amando os frades;

Eis Bocage, em quem luz algum talento;
Saíram dele mesmo estas verdades
Num dia em que se achou mais pachorrento.

Bocage, in 'Rimas'

terça-feira, 25 de agosto de 2020

 Uma manhã produtiva! 😃

Uma última publicação para vos apresentar a nova obra que começei a ler.

Trata-se de "A vida de Nun'Álvares" escrita por Oliveira Martins, num dos mercados de livros que por vezes se realizam pela cidade e, onde sempre que posso vou ver o que têm para vender, encontrei este volume que faz parte de uma coleção de obras completas deste autor.

Oliveira Martins, nasceu em Lisboa em 30 de Abril de 1845 e, foi um Historiador, político e, figura chave do movimento designado por Geração de 70. Coincidência ou não, passou ontem, 24 de Agosto, a sua data lutuosa, 24 de Agosto de 1894.

Quanto ao conteúdo da obra, só ontem iniciei a sua leitura mas, devo confessar que me está a agradar imenso, não só pelo tema como, também, pelo modo como está escrita, pelos pormenores e conhecimentos do período em questão e, o enquadramento histórico com a consequente ligação à história europeia da época e suas lendas para melhor compreendermos a personagem que nos está a ser dada a conhecer. Como curiosidade devo dizer que me faz lembrar, uma outra obra que li sobre Inês de Castro, de outro autor (Faustino da Fonseca), que muito me agradou também e, que aconselho vivamente.


 Este fim de semana aproveitei para descobrir uma publicação periódica que adquiri em 2013, este exemplar intitulado "Debater A História" era uma publicação bimestral editada em Oliveira do Douro; comprei alguns números, penso que os que foram publicados, mas só agora me debrucei sobre o primeiro.

Como o próprio título indica somos levados a viajar pela História da Humanidade e, seus acontecimentos. Este primeiro exemplar coloca-nos em plena Idade Média e, princípios do Renascimento levando-nos a conhecer a Batalha de Bouvines, falando-nos do Diário da Primeira Viagem de Vasco da Gama à Índia, entre outros acontecimentos. Só lamento a forma como é feita a sua redação porque, tem uns quantos erros gramaticais que obrigam quem lê a voltar atrás, umas quantas vezes, para conseguir perceber o conteúdo do que lê. Inicialmente, este pormenor pareceu-me erro gráfico mas, com a continuação, não fiquei com essa impressão.

De qualquer forma, não deixa de ser uma revista com interesse até porque, os temas tratados estão sempre directamente relacionados com a História do nosso país.



 Bom dia,

Para começo de conversa quero lembrar que ontem, 24 de Agosto, comemorou-se a passagem da data de nascimento de Jorge Luís Borges, como sabem este vulto literário assim se considera por ter dedicado a sua vida à escrita, à poesia, à tradução de obras, ter, também, sido crítico literário e ensaísta; como se percebe trata-se de uma figura incontornável do mundo das letras. Daí não poder deixar de lhe fazer referência.

24 agosto 1899 - 14 junho 1986

 

(imagem retirada de uma publicação da Bertrand Livreiros)

domingo, 16 de agosto de 2020

 Boa tarde,


Aproveito, este Domingo, para vos apresentar a obra que me encontro a ler; trata-se de uma Antologia poética de autores galaico-portugueses e, portugueses desde os sécs. XII a XIV até aos poetas do primeiro quartel do século XX.

A recolha das cantigas, églogas, sonetos e demais poemas são da inteira responsabilidade de Cabral do Nascimento. 

Cabral do Nascimento, para quem não conhece, nasceu na cidade do Funchal em 1897, ele próprio um poeta que se formou, na Universidade de Coimbra, em Direito. A sua obra poética iniciou-se em 1916 e, em 1972, estava compilada em dois volumes, Descaminho, com o que produziu até 1928, e Cancioneiro, com os versos escritos entre 1932 a 1962.

Neste exemplar podemos encontrar versos de autores como Gil Vicente, Luís Vaz de Camões, Florbela Espanca, talvez dos mais conhecidos e, ainda, Francisco de Sá de Miranda, Luís de Azevedo, Henrique de Almeida, Diogo Fogaça, Marquesa de Alorna, entre outros, não tão conhecidos mas, de grande qualidade e, que muito contribuíram para o enriquecimento da poesia nacional.

Bom Domingo e boas leituras!